Ligue para nós

(62) 3254 8000

E-mail

falecom@eletroenergia.com.br

Aterramento elétrico: você entende a sua importância?

Além de usar corretamente os disjuntores e dimensionar a instalação elétrica, o aterramento é outro elemento necessário para a segurança de um projeto elétrico. Para evitar riscos no procedimento, porém, é necessário saber quais ferramentas usar e como fazer a medição.

Tem dúvidas sobre a melhor forma de fazer o aterramento elétrico? Veja as dicas que listamos para você:

Qual é a importância do aterramento elétrico?

O isolamento elétrico é um dos componentes mais importantes de uma instalação, pois tem a função principal de proteger as pessoas e os equipamentos. Basicamente, ele serve como um “caminho” de fuga para a corrente em excesso, evitando descargas elétricas e choques.

O aterramento ainda tem a função de conduzir facilmente as descargas causadas por raios e que percorrem a rede. Dessa forma, tempestades deixam de ser um problema e um risco para o patrimônio.

Resumindo, o aterramento elétrico elimina as tensões e correntes em excesso, facilitando o uso seguro e adequado de todos os componentes de uma instalação.

Quais são os riscos em não fazê-lo?

Tão relevante quanto reconhecer a importância do aterramento elétrico é compreender os riscos que surgem quando ele não é feito. O maior deles diz respeito aos choques, que nada mais são do que descargas imprevistas devido ao contato com um elemento condutor carregado.

Como o aterramento serve para eliminar tensões estáticas, não fazê-lo aumenta as chances de sofrer com choques ao tocar em partes metálicas de certos objetos. Em casas com crianças, idosos ou animais de estimação, esse é um problema que se torna ainda mais grave.

Além disso, a falta desse elemento aumenta as chances de haver curtos-circuitos. Os riscos maiores são para a segurança e para o patrimônio, pois uma situação do tipo pode queimar diversos aparelhos e comprometer toda a fiação.

Quais os tipos de aterramento existentes?

Ao mesmo tempo em que é fundamental, o aterramento elétrico não é feito de um só tipo. Atualmente, a norma principal sobre este tema contempla três tipos:

  • sistema TN-S: possui condutores de proteção e neutro de forma separada. O fio neutro é aterrado ao sair do transformador e o fio terra é conectado ao elemento metálico;
  • sistema TT: considerado o melhor, tem a parte neutra aterrada imediatamente após a saída do sistema. Tendo haste própria, é o que acontece com tomadas de três pinos, por exemplo;
  • sistema TN-C: o condutor de proteção também é o neutro, com um mesmo condutor. Embora esteja previsto, é o menos recomendado.

Cada instalação possui suas especificações, então cada uma precisa de um aterramento, inclusive em relação ao tamanho e ao material dos fios.

Quais são os equipamentos necessários para a instalação?

Para aproveitar toda a importância do aterramento elétrico, deve-se utilizar corretamente as ferramentas exigidas. Nessa etapa, é fundamental contar com haste de aterramento, um conjunto de conectores e condutores de acordo com o sistema desejado. Entre os materiais gerais estão alicate, fios, fita isolante e equipamentos de proteção, como óculos, luvas e sapatos isolantes.

Como realizar a sua medição?

O principal equipamento para a medição de aterramento é o multímetro. No modo de tensão alternada, medem-se os resultados usando a fase e o neutro e, depois, entre a terra e o neutro. Nesse último caso, o valor deve ser menor que 5v, pois um número maior indica pouca eficácia.

A leitura nula (ou seja, 0v) não indica eficiência, e sim a possibilidade de que o aterramento não esteja oferecendo qualquer resultado prático. Ao reconhecer a importância do aterramento elétrico, você aumenta a segurança da instalação e a proteção ao patrimônio, então não deixe de executar essa tarefa.

Restou alguma dúvida sobre o assunto ou tem uma experiência para compartilhar? Conte pra gente aqui nos comentários!